INÍCIO>Informação>Notícias>«Entrar num processo de racionamento em saúde é passar fronteira ...
 
               
            IN    
Destaque

Bioderma Sensibi...
4,69 €
2,99 €
 
 
Outono
Nov'2017
25
sábado
   
 
Informação
 
 
«Entrar num processo de racionamento em saúde é passar fronteira muito perigosa»
 
O professor da Escola Nacional de Saúde Pública e ex-presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar de Lisboa Norte, Adalberto Campos Fernandes, defende, em entrevista ao jornal Público, que é preciso ?transparência? na Saúde. (Notícia RCMPharma)
 
«Entrar num processo de racionamento em saúde é passar fronteira muito perigosa»
 

Hoje, “o grande risco é entrarmos numa abordagem precipitada de desmantelamento do sistema em nome de uma fórmula que não está testada”, diz.

Quando lhe é solicitado que faça um balanço do Governo socialista na área da Saúde, Adalberto Campos Fernandes diz que "há alguns aspectos que são bastantes positivos, como a reforma dos cuidados de saúde primários. Independentemente de ainda existirem manchas de população sem médico de família, o modelo das USF (unidades de saúde familiar) tem grande potencial.

Uma iniciativa também muito bem desenhada é a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados. Houve ainda uma evolução muito positiva da mediana dos tempos de espera cirúrgicos". Além disso, o professor da Escola Nacional de Saúde Pública refere o cheque-dentista, que "permitiu o acesso a uma área até então praticamente a descoberto".

Dos aspectos que correram menos bem, destaca "claramente a política do medicamento. Foi confusa, em certos momentos pareceu mesmo contraditória. Não se avançou na área da avaliação da inovação e na reforma do sistema de comparticipações. Também a taxa de penetração dos medicamentos genéricos (cerca de 20 por cento) continua a ser muito modesta. Outra área em que se fica com alguma frustração: o modelo de gestão hospitalar. Não se avançou na avaliação da gestão nem se aprofundou o modelo empresarial".

"Com os centros hospitalares foi-se muito à componente jurídica e formal, a amplitude da reforma foi muito tímida", conclui.

Sobre os planos do Governo de construir 10 hospitais em PPP, Adalberto Campos Fernandes defende que "deve-se avaliar primeiro antes de tomar decisões. É um modelo atípico, muito propício a uma grande conflitualidade.

O mais importante é que a rede do SNS tenha uma gestão profissionalizada e que os processos sejam muito transparentes. Há uma grande opacidade no sistema de saúde em geral. O grande risco é entrarmos numa abordagem um bocadinho precipitada de desmantelamento do sistema – que tem provado que responde – em nome de uma fórmula que não está testada. É preciso transparência, comparabilidade, avaliação interna e externa".

Em relação aos cortes na Saúde, o ex-presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar de Lisboa Norte defende que "é preciso traçar objectivos realistas. [Doutra forma], as unidades entram numa espiral de subfinanciamento, em processo de dívidas a fornecedores, deixam de poder prestar cuidados. E esta é uma área muito sensível, que pede muito bom senso. Quem vier dizer que consegue garantir o acesso sem restringir não está a falar verdade. É necessário fazer tudo para que nos próximos três, quatro anos a despesas e mantenha controlada (crescimento de zero ou um por cento, no máximo), o que implica um trabalho muito intenso na eficiência interna. Mas é importante que não sejam impostas mais medidas de carácter cego e que não se avance numa espiral de agravamento. Dois milhões de portugueses vivem abaixo do limiar de pobreza e quatro milhões não pagam IRS. São pessoas que dependem do sistema público. Entrar num processo de racionamento em saúde significa passar uma fronteira muito perigosa".

Questionado sobre se acha o fim da ADSE como caminho a seguir, Adalberto Campos Fernandes diz que "é uma medida muito pouco popular. Mas se reler o relatório sobre a sustentabilidade do SNS está lá bem recomendado que efectivamente esta medida deve ser prosseguida. Estamos num tempo em que é preciso fazer escolhas. Ao nível da despesa, há a convicção profunda de que ainda é possível cortar. Há problemas de organização do trabalho, nos recursos humanos há uma grande dependência do trabalho extraordinário, há uma sobrecarga muito grande das urgências hospitalares. Temos algumas redundâncias de serviços e hospitais a mais".

Notícia RCMPharma.
Veja notícia aqui.

 
Admin | 2011-04-27 12:11:44
 
 
1
 
 
Publicidade Google
 
 
 
Promoções


Martiderm Proteoglicanos 30 ampolas
43,53 €
37,00 €
 
HORÁRIO de FUNCIONAMENTO
   
2ª a sexta:
8h às 24h
sábado:
9h às 24h
Horário actual
Neste momento:
Estamos encerrados
[Fora de Período de Abertura]
   
 
A DECORRER HOJE
   
Podologia |9h>13h
Enfermagem |9h>13h
   
 
AGENDA
 
S T Q Q S S D
F234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
29
 
- Actividade
 
- Mês actual
 
     
MARCAS + PROCURADAS
 
XLS | Emagrecimento Bioderma | Dermocosmética Drenafast | Emagrecimento
Saro | Puericultura Pure Altitude | Dermocosmética PiC | Tensiómetros
Cellulase Gold | Emagrecimento Medela | Mamã BioActivo | Suplementos
 
       
PARCERIAS
 
Wellfit Fitness & Spa Associação de Solidariedade Social dos Idosos de Canidelo Grupo Desportivo Bolacesto Ocean Day Spa
Fisiodomus Marta de Sousa Lopes Psicologia Global Sénior Rios e Trilhos
Laços com Futuro, Apoio Domiciliário      
       
 
Newsletters
 
Cartão Cliente
 
Fale connosco
 
Adicionar aos Favoritos
 
 
Social
 
  Siga-nos no Twitter! Siga-nos no Facebook
 
 
Publicidade
 
BioActivo LipoExit | Um novo conceito de emagrecimento!
 
 
  TOPO  
  INÍCIO | OnLine | Quem somos | Serviços | Farmácias de Serviço | Informações | Contactos | Links  
     
  Direcção Técnica: Drª Maria Manuela S. Rodrigues M. Rocha
2017 © Farmácia Rodrigues Rocha, Soc. Unipessoal | Todos os direitos reservados