INÍCIO>Informação>Notícias>Cientistas querem criar medicamento que mate todos os vírus...
 
               
            IN    
Destaque

Mustela Stelatri...
8,55 €
 
 
Verão
Set'2017
20
quarta-feira
   
 
Informação
 
 
Cientistas querem criar medicamento que mate todos os vírus
 
Da mesma forma que os antibióticos matam muitos tipos diferentes de bactérias, os antivirais poderão matar múltiplos vírus.
 
Cientistas querem criar medicamento que mate todos os vírus
 

Embora as vacinas contra a gripe tenham representado algum alívio para alguns, gripes e constipações continuam a ser companhias muito incómodas para a grande maioria das pessoas. Mas os cientistas afirmam que os espirros, tosses e narizes congestionados, sem contar o mal-estar, em breve poderão ser coisa do passado, avança o Diário Saúde. Tanto optimismo justifica-se pelos últimos progressos sendo feitos rumo à criação de um novo tipo de medicamento, chamado antiviral.

 

Medicamento antiviral

 

Da mesma forma que os antibióticos matam muitos tipos diferentes de bactérias, os antivirais poderão matar múltiplos vírus.

 

E, quanto falam em múltiplos vírus, os cientistas pensam desde os vírus da gripe comum até aos muito mais ameaçadores, como os vírus causadores da hepatite e, possivelmente, até mesmo do Ebola e do VIH.

 

Isto poderia representar ainda o fim das epidemias - tanto das verdadeiras quanto das chamadas epidemias-susto - como a SARS e a gripe suína.

 

Como matar os vírus

 

Para fabricar os antivirais, Todd Rider e os seus colegas do MIT (Massachusetts Institute of Technology) estão a utilizar uma abordagem incomum. Eles estão a conectar duas proteínas naturais, uma que detecta o vírus e outra que age como uma chave suicida, matando a célula assim que a primeira detecta o vírus. Eles baptizaram o seu candidato a medicamento de Draco.

 

Já o Dr. Leo James, da Universidade de Cambridge, descobriu que as células têm um sistema interno que caça e mata os vírus - até então se pensava que, uma vez que o vírus adentrava à célula, a infecção era inevitável.

 

A equipa está agora a trabalhar na criação de drogas antivirais que possam ligar-se ao próprio vírus, matando-o dentro da célula.

 

A equipa do Dr. Peter Palese, da Escola Médica Monte Sinai, parece estar mais adiantada: eles criaram uma droga antiviral que se mostrou eficaz contra o vírus da gripe, mas que ainda não é tão boa contra outros vírus.

 

Fármaco maravilhoso

 

Estas são apenas alguns exemplos das abordagens utilizadas. Ou seja, apesar dos progressos, os cientistas ainda não conseguiram dizer exactamente como surgirá a solução mágica contra os vírus. E, qualquer que seja o caminho, ainda há muitos desafios à frente.

 

Os vírus e as células humanas tornam-se intimamente ligados numa infecção. Com isto, há muitos efeitos secundários possíveis desses medicamentos.

 

O interferon, quando descoberto, nos anos 50, foi tido como um fármaco maravilhoso, um antiviral de amplo espectro. Isto porque o interferon faz com que a célula infectada segregue um sinal de alerta para as outras células, permitindo que elas armem as suas defesas naturais.

 

Entretanto, o fármaco também acciona o sistema imunológico, que envia glóbulos brancos para atacar a infecção, causando inflamações na área, febre e dores.

 

O interferon - na verdade uma classe de medicamentos, os interferons - ainda é usado para combater doenças graves, como o vírus da hepatite C. Mas tratar uma gripe com interferon faz com que o remédio literalmente faça sentir pior do que a gripe o faria.

 

Draco

 

De todas as abordagens adoptadas até agora contra os vírus, a Draco é a que desperta os maiores entusiasmos e as maiores críticas.

 

Como o interferon, a Draco também é uma proteína, com potencial para provocar uma resposta imunológica.

 

Isto pode ser ainda mais problemático no caso de um segundo tratamento.

 

Mas, pelo menos em ratinhos, até agora a Draco não mostrou nenhuma resposta imunológica.

 

Como a Draco funciona

 

As proteínas naturais numa célula infectada detectam a presença de um vírus - essas proteínas são sensíveis ao RNA, uma molécula genética única e presente em praticamente todos os vírus.

 

Os investigadores pegaram numa dessas proteínas naturais e ligaram-na a outra proteína natural, também presente em todas as células, que acciona a apoptose, a morte programada da célula.

 

Uma vez aplicada, o fármaco vai a todas as células no corpo, mas somente se torna activa nas células infectadas.

 

Numa questão de horas, a parte sensível ao RNA da droga detecta o vírus e faz a célula suicidar-se. Quando a célula hospedeira morre, o vírus também morre.

Notícia RCMPharma.
Veja notícia aqui.

 
Admin | 2011-12-30 17:40:24
 
 
1
 
 
Publicidade Google
 
 
 
Promoções


Avene Solar Cleanance SPF50+
16,65 €
15,32 €
 
HORÁRIO de FUNCIONAMENTO
   
2ª a sexta:
8h às 24h
sábado:
9h às 24h
Horário actual
Neste momento:
Estamos abertos
[Horário normal]
   
 
A DECORRER HOJE
   
Enfermagem |9h>13h
Nutrição |9h>13h
   
 
AGENDA
 
S T Q Q S S D
F234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930311
 
- Actividade
 
- Mês actual
 
     
MARCAS + PROCURADAS
 
XLS | Emagrecimento Bioderma | Dermocosmética Drenafast | Emagrecimento
Saro | Puericultura Pure Altitude | Dermocosmética PiC | Tensiómetros
Cellulase Gold | Emagrecimento Medela | Mamã BioActivo | Suplementos
 
       
PARCERIAS
 
Wellfit Fitness & Spa Associação de Solidariedade Social dos Idosos de Canidelo Grupo Desportivo Bolacesto Ocean Day Spa
Fisiodomus Marta de Sousa Lopes Psicologia Global Sénior Rios e Trilhos
Laços com Futuro, Apoio Domiciliário      
       
 
Newsletters
 
Cartão Cliente
 
Fale connosco
 
Adicionar aos Favoritos
 
 
Social
 
  Siga-nos no Twitter! Siga-nos no Facebook
 
 
Publicidade
 
BioActivo LipoExit | Um novo conceito de emagrecimento!
 
 
  TOPO  
  INÍCIO | OnLine | Quem somos | Serviços | Farmácias de Serviço | Informações | Contactos | Links  
     
  Direcção Técnica: Drª Maria Manuela S. Rodrigues M. Rocha
2017 © Farmácia Rodrigues Rocha, Soc. Unipessoal | Todos os direitos reservados