INÍCIO>Informação>Notícias>Farmacêuticas impõem novas regras de pagamento aos hospitais...
 
               
            IN    
Destaque

Avène Couvrance ...
18,71 €
 
 
Outono
Nov'2017
25
sábado
   
 
Informação
 
 
Farmacêuticas impõem novas regras de pagamento aos hospitais
 
Os hospitais com dívidas estão a ser forçados a cumprir novas regras para continuar a receber medicamentos dos laboratórios.
 
Farmacêuticas impõem novas regras de pagamento aos hospitais
 

Entre outras condições, as empresas farmacêuticas exigem que seja fixado um plano de pagamento a prestações da dívida ou só admitem fornecer uma nova remessa de medicamentos quando a factura anterior estiver saldada, avança o jornal Público. Pelo menos três laboratórios assumiram esta semana publicamente a adopção de medidas deste tipo, mas o Público sabe que há mais empresas a mudar a política de crédito.

O Governo promete apresentar um calendário de regularização de dívidas a fornecedores até ao final do ano, mas, enquanto isso, o problema agrava-se com o aumento dos débitos dos hospitais que, em Outubro, ultrapassava os 1,3 mil milhões de euros e da demora no pagamento (média de 450 dias de atraso).

Alguns laboratórios não estão dispostos a esperar pelo prometido plano de pagamento da dívida dos hospitais aos fornecedores e decidiram avançar para medidas por conta própria. A farmacêutica Roche (líder no fornecimento de medicamentos aos hospitais, sobretudo na área do tratamento do cancro) já anunciou que vai alterar a sua política de crédito, a partir de Dezembro, junto de cinco hospitais portugueses (Guarda, Aveiro, Torres Vedras, Setúbal e Funchal) com dívidas acumuladas há mais de 750 dias, escreve o Público.

Tavares de Castro, responsável pela área de corporate affairs em Portugal da empresa, adiantou apenas quarta-feira ao jornal que “o assunto não está parado”. “Neste momento é precoce fazer qualquer tipo de previsão. O assunto está muito activo por parte de todos os parceiros envolvidos nesta questão”, limitou-se a afirmar.

O ministro da Saúde, Paulo Macedo, que – apesar dos alertas já feitos pela empresa à qual o Estado deve mais de 115 milhões de euros – disse ter sido surpreendido com a decisão da Roche, anunciou a intenção de se reunir com os seus responsáveis e concluiu: “As ameaças da Roche, as ameaças da hemodiálise, as ameaças de outros actores só querem dizer uma coisa: que as dívidas acumuladas a que se chegou, tornam o SNS [Serviço Nacional de Saúde], se não se tomarem medidas, totalmente insustentável”. Em resposta ao Público, a assessora do ministro confirmou “o diálogo positivo com a Apifarma [Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica] na procura de soluções”, acrescentando que, “até ao momento, o Ministério da Saúde não teve conhecimento de decisões semelhantes às manifestadas pela Roche”.

Porém, há mais duas empresas farmacêuticas que esta semana assumiram publicamente a mudança de regras no crédito aos hospitais. O laboratório Merck Serono fala numa dívida que deverá chegar aos 30 milhões de euros no final do ano e terá proposto um plano de pagamentos ao Governo baseado no pagamento a 180 dias, numa primeira fase. Esta empresa anunciou ainda que vendeu 100% da dívida de 2010 aos bancos para garantir a receita em falta.

Com uma dívida que representa um terço da sua facturação, o laboratório Novo Nordisk também está a negociar novas “políticas comerciais” com as administrações hospitalares para assegurar o fornecimento de medicamentos.

O director-geral António Araújo nota que tem pagamentos com 980 dias de atraso e que, em resposta às novas regras, houve alguns hospitais que se mostraram dispostos a regularizar a dívida. O responsável justifica que a “situação é absolutamente incomportável” e admite que os casos mais complicados possam chegar ao limite de uma suspensão do fornecimento, mas sublinha que esse cenário não deverá ser colocado para os medicamentos que “salvam vidas”, como os produtos que fornecem para hemofilia, escreve o Público.

Em declarações feitas ao Jornal de Negócios há já um mês, Pedro Lopes, presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares, confirmou que alguns laboratórios informaram que só vão continuar o fornecimento de medicamentos mediante pagamento imediato. A situação, acrescentou, é mais grave com os pequenos e médios laboratórios, que “já estão a suspender os fornecimentos” aos hospitais.

Apifarma sem respostas

A Apifarma transmitiu a sua “preocupação com a actual situação do mercado farmacêutico e o seu impacto na actividade das empresas e na equidade dos doentes no acesso ao medicamento” ao Presidente da República, num encontro que teve lugar na passada sexta-feira. Por outro lado, no final do mês passado esta associação que representa a indústria farmacêutica enviou cartas aos ministérios da Saúde, Economia e Finanças manifestando a sua total disponibilidade para colaborar na elaboração do prometido plano de pagamentos.

Até quarta-feira, a Apifarma não tinha recebido qualquer resposta.

A solução para a regularização da dívida, como acordado no memorando da troika, deveria ter sido apresentada em Setembro, tendo sido depois adiada para o final deste ano. Em Outubro, o ministro da Saúde lançou o aviso aos credores dos hospitais, sublinhando que “não há uma solução mágica” para resolver esta dívida. E acrescentou: “Não há nenhum mecanismo nem nenhum cofre onde estejam os 3 mil milhões de euros [total da dívida dos hospitais a fornecedores] ”.

Quarta-feira, fonte do gabinete garantia que “o Ministério da Saúde está empenhado no cumprimento estrito da medida constante do memorando”.

Notícia RCMPharma.
Veja notícia aqui.

 
Admin | 2011-11-24 14:56:57
 
 
1
 
 
Publicidade Google
 
 
 
Promoções


NeoFitoroiD
11,60 €
9,28 €
 
HORÁRIO de FUNCIONAMENTO
   
2ª a sexta:
8h às 24h
sábado:
9h às 24h
Horário actual
Neste momento:
Estamos encerrados
[Fora de Período de Abertura]
   
 
A DECORRER HOJE
   
Podologia |9h>13h
Enfermagem |9h>13h
   
 
AGENDA
 
S T Q Q S S D
F234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
29
 
- Actividade
 
- Mês actual
 
     
MARCAS + PROCURADAS
 
XLS | Emagrecimento Bioderma | Dermocosmética Drenafast | Emagrecimento
Saro | Puericultura Pure Altitude | Dermocosmética PiC | Tensiómetros
Cellulase Gold | Emagrecimento Medela | Mamã BioActivo | Suplementos
 
       
PARCERIAS
 
Wellfit Fitness & Spa Associação de Solidariedade Social dos Idosos de Canidelo Grupo Desportivo Bolacesto Ocean Day Spa
Fisiodomus Marta de Sousa Lopes Psicologia Global Sénior Rios e Trilhos
Laços com Futuro, Apoio Domiciliário      
       
 
Newsletters
 
Cartão Cliente
 
Fale connosco
 
Adicionar aos Favoritos
 
 
Social
 
  Siga-nos no Twitter! Siga-nos no Facebook
 
 
Publicidade
 
BioActivo LipoExit | Um novo conceito de emagrecimento!
 
 
  TOPO  
  INÍCIO | OnLine | Quem somos | Serviços | Farmácias de Serviço | Informações | Contactos | Links  
     
  Direcção Técnica: Drª Maria Manuela S. Rodrigues M. Rocha
2017 © Farmácia Rodrigues Rocha, Soc. Unipessoal | Todos os direitos reservados